Vergonha tóxica

Vergonha tóxica

di Jose Geraldo da Fonseca

Versione PDF del documento

É que narciso acha feio o que não é espelho”. Assim Caetano define, em “Sampa”, aquela mania que a gente tem de menosprezar no outro o que o ele tem de mais bonito, e que, como a gente não tem, não é reflexo da nossa própria beleza.

De bulliyng, todo mundo ouviu falar. O que quase ninguém fala é da “vergonha tóxica”, um estágio depressivo causado pelo bulliyng. Nesse ponto, o sujeito está tão diminuído que se julga um traste, um nada, e começa a questionar a sua própria utilidade como pessoa. No fim da linha, imola-se, se automutila para que a dor física alivie a dor moral resultante da desconstrução psicológica que o bulliyng impõe e, por último, acaba com a própria vida. É o bullycídio, o suicídio por causa do bullying.

O bullying é uma das principais causas de suicídio entre crianças e adolescentes e a terceira maior causa de mortes em todo o mundo. Estudos da Universidade de Yale mostram que cerca de 19% dos alunos já pensaram em se matar, 15% desses planejaram a própria morte e 8,8% tentaram a morte mas foram impedidos por alguém.

O bullying sempre existiu. Novos são apenas o nome da doença (sim, “doença”, porque esse assédio repetido e destrutivo é uma forma de sociopatia, um tipo deletério de doença social) e a maneira de encará-lo. O bullying é uma espécie de assédio moral. Por trás de todo assediador está um sociopata, uma mente doentia que tem dificuldade em trabalhar a sua agressividade, tem baixa auto-estima e inveja narcísica do êxito do outro.

A literatura médica diz que cerca de 1% a 4% da população são sociopatas. Nem todos os sociopatas são criminosos em série, mas a fronteira entre uns e outros é um fio tênue. A sociopatia é uma espécie de transtorno de personalidade caracterizado pelo desprezo das obrigações sociais e falta de empatia para com os outros. Sociopatas são predadores intra-espécies que ignoram convenções sociais e sentimentos alheios, exibem egocentrismo patológico e emoções superficiais, baixa tolerância à frustração, lidam com dificuldade a descarga de sua agressividade, são ausentes de remorso e não nutrem qualquer sentimento de culpa. O sociopata é um perverso. A perversidade não é uma perturbação psiquiátrica, mas fria racionalidade combinada à incapacidade de considerar a individualidade do outro. Para o perverso, o outro não existe como pessoa, mas como dono de uma qualidade que ele não possui, e da qual quer se apropriar. O perverso projeta na vítima seu fracasso moral, segrega a vítima e corta os laços que a mantém conectada ao seu grupo, espezinhando-a até que se sinta inteiramente fragilizada e refém do agressor ou agressores. Esse sequestro psíquico rouba à vítima a sua escritura de pessoa, o seu estatuto original. A vítima do bullying precisa urgentemente de resgate. Abandonada à própria sorte, o fim da linha é a apatia, a frustração, a depressão, a demência mental, o desinteresse pelo emprego, pela vida social, escolar e familiar, o apego às drogas, à bebida, ao desregramento social e, por fim, o suicídio.

Como dito, o bullying sempre existiu. Quem de nós não se lembra daquelas brincadeiras de mau gosto que colegas nossos (em alguns casos, nós mesmos) faziam nos tempos de colégio? Quem nunca pôs um apelido num colega focando a “graça” da pilhéria justamente numa qualidade ou defeito da vítima? Qual de nós nunca zombou daquele colega magricela, daquele sujeito alto demais, do que tinha orelha de abano, do narigudo, do gordo, do caipira, do “gênio” que sentava na primeira fila e só tirava dez em todas as matérias? Tudo isso era bulliyng e a gente não sabia.

É claro que um maior poder de fiscalização das escolas ajuda a diminuir a incidência de bullying, mas é ilusão supor que isso acabe com a doença. De nada adianta fazer leis proibindo isto ou aquilo. Se lei acabasse com alguma coisa, não teríamos tantos assaltos, homicídios, roubo, sequestro, tráfico de drogas, corrupção, falências fraudulentas, violência doméstica, pobreza, abandono. Para cada um desses crimes há enxurradas de leis ameaçando com esta ou com aquela pena. Ninguém liga a mínima. O bulliyng é um processo de deterioração do indivíduo que começa em casa, numa simples brincadeira no pátio do condomínio, na praia, no clube, no trabalho, em qualquer grupo social. É uma doença social. Quando você for a um clube, a um restaurante, a um jogo de futebol, observe as pessoas à sua volta. Há um monte de sociopatas à espreita de um descuido seu para tornar-se o seu algoz, o que tem a chave da sua cela moral. Há um sociopata agora mesmo, ao seu lado. Talvez você até seja um deles.

Pode parecer terrível, mas o ser humano não tem salvação.

Diventa autore di Diritto.it

© RIPRODUZIONE RISERVATA


Per la tua pubblicità sui nostri Media:
maggioliadv@maggioli.it  |  www.maggioliadv.it

Gruppo Maggioli
www.maggioli.it

Ricevi tutte le novità di Diritto.it attraverso le nostre newsletter. Se sei interessato a un ambito specifico effettua l’iscrizione direttamente a questo indirizzo.

Non abbandonare Diritto.it
senza iscriverti alle newsletter!